Muhammad Ali-Haj, nascido Cassius Marcellus Clay Jr, foi um pugilista norte-americano, considerado um dos maiores ​​da história do esporte e qualquer um que se disponha a analisar seus vídeos verificará facilmente o porquê desse título.

A maior lendas do Boxe, campeão Mundial, ativista dos direitos civis, Ali sempre foi conhecido por sua coragem, agilidade e língua afiada.

Não à toa, foi eleito “O Desportista do Século” pela revista americana Sports Illustrated em 1999.

O boxeador se retirou com um impressionante balanço em sua carreira desportiva de 56 vitórias e 5 derrotas, que lhe garantiram o título de melhor pugilista da história.

Em um plano mais holístico, as similitudes entre a cultura empresarial e a desportiva são mais que manifestas: não deixamos de ser uma equipe (ou um desportista individual como Ali e tantos outros) que combina forças e habilidades para conseguir um resultado em comum; o êxito, a vitória.

No dia a dia de Muhammad Ali (e de outros grandes esportistas) podemos observar os mesmos elementos de qualquer empresa que queira ser competitiva: a direção, gestores (treinador), planejamento, a estratégia, maestria.

E as semelhanças entre o boxe e o empreendedorismo não param por aí, pois, ao contrário de outros esportes, no ringue uma vez iniciado um round, não há espaço para pausas, você não pode simplesmente colocar as mãos sobre os joelhos para recuperar o fôlego ou pedir um tempo, como no caso do vôlei.

É preciso manter a guarda a todo momento, se movimentar para não ser um alvo fácil e ter uma estratégia definida para derrubar o seu oponente.

Em outras palavras, assim como um lutador profissional precisa reunir o maior conjunto de habilidades, é vital que a sua empresa também reúna as habilidades e estratégias necessárias para se manter a frente, sempre.

Ao final de cada luta, Muhammad Ali em suas entrevistas, sempre brindava seus interlocutores (jornalistas) com suas frases de efeito, suas tiradas e pérolas que se tornaram tão famosas ao longo dos anos, mas também, destacava a importância de se assumir riscos, ter confiança e também humildade.

E é sobre essas e outras preciosas lições que queremos conversar com você, acompanhe!

O tempo é ouro!

O que é o mesmo que dizer: para que deixar para amanhã o que pode ser feito hoje? Não pode haver dias de folga quando se está competindo (não, não estamos incentivando a explorar funcionários e muito menos tornar-se um(a) workaholic), e você não pode parar de treinar até chegar lá.

A complacência é o próximo passo para o fracasso, se você realmente deseja ser bem sucedido em qualquer aspecto da vida, então, trabalhe para melhorar a cada dia.

Entenda que sempre terá alguém mais talentoso que você, e ainda, possuir certas qualidades que você não tem.

“Eu odiava cada minuto dos treinos, mas dizia para mim mesmo: Não desista! Sofra agora e viva o resto de sua vida como um campeão”, disse Muhammad Ali.

Esteja sempre de olho no seu mercado, esteja sempre de olho nas tendências, empreendedor que é empreendedor está sempre antenado, está sempre aprendendo e melhor do que ter iniciativa, bons empreendedores tem “acabativa”.

Valorize o tempo; não só o de seus colaboradores, mas o seu também e esteja atento(a), ou melhor, parafraseando Muhammad Ali: “Voe feito uma borboleta! Pique como uma abelha!”

Esforce-se ao máximo para chegar a bons resultados, faça como Ali que era um firme adepto da ética do trabalho e de como só podemos obter resultados se nos esforçarmos ao máximo.

Tenha uma mentalidade de lutador

Se há algo que um empreendedor não pode se dar ao luxo é deixar de ter uma mente aberta.

Você pode ser um dos homens mais fortes que já pisou no ringue, ter o vigor de um Usain Bolt, um soco mais rápido do que o do próprio Muhammad Ali, e perder nos 30 segundos do primeiro round, caso você não desenvolva a mentalidade de um lutador.

Segundo especialistas no assunto, boxeadores têm a capacidade de pensar claramente quando estão em desvantagem e perceber a fraqueza do oponente sem necessariamente demonstrar as suas.

Essa é a mesma mentalidade que você precisa ter para se adaptar no mundo dos negócios, afinal, todos estamos sujeitos a uma queda nas vendas ou a perda de um cliente importante.

E convenhamos, são fatores que muitas vezes não estão sob o nosso controle (o soco inesperado na boca do estômago) mas devem ser gerenciados e superados.

Ok, você não ganhará todas, mas “você não é derrotado quando perde, somente quando desiste”.

Após conquistar o primeiro título de campeão mundial, Cassius Clay Jr converteu-se ao islamismo e passou a chamar Muhammad Ali.

Além disso, virou amigo do polêmico Malcolm X, transformou-se em um ativista pelo direito dos negros e recusou-se a servir o exército americano, na guerra do Vietnã.

Na época, ele chegou a falar que não iria à guerra matar inocentes, sendo que a grande injustiça social estava acontecendo no próprio EUA (segregação racial).

O posicionamento de Ali foi contra a imprensa e ele se transformou no inimigo número 1 do estado.

Resultado: tiraram o título mundial dele e baniram o atleta do boxe por 5 anos, além de lhe aplicar uma multa de 10 mil dólares.

Obviamente o boxeador recorreu da decisão na Suprema Corte e voltou aos ringues em 1970 como um símbolo anti-guerra e a favor da paz.

Apesar de ter o título mundial cassado e ter ficado na geladeira do boxe na época de seu auge físico, Cassius Clay (Muhammad Ali) não desistiu.

Nem a derrota para Joe Frazier em 1971, na luta do século acabando com sua invencibilidade, impediu de seguir em frente.

Em 1974 Ali reconquistou o título mundial numa bela luta no Zaire, tendo como adversário George Foreman (aquele mesmo do famoso Grill), sendo que o combate foi transmitido ai vivo para o mundo todo e ficou conhecida como a “Luta na floresta”.

Ali encerrou no esporte em 81, mas continuou a lutar por causas sociais.

Criou um instituto próprio para isto e conquistou vários prêmios pelo mundo. Os tropeços na carreira e na vida foram importantes na sua vida para a evolução de Ali.

Isso implica dizer que em sua trajetória empreendedora você terá momentos difíceis, que o(a) façam duvidar de sua capacidade gestora, de negócios etc, mas lembre-se do que dizia Muhammad Ali: “Seja dentro do ringue ou fora dele, não há nada errado em cair. Manter-se no chão é o errado”.

Qual é o seu estilo?

Por trás de toda retórica, aquele ar de “falastrão”, o que assegurou de Muhammad Ali foi uma extraordinária combinação de estratégia, disciplina e trabalho, da qual o melhor exemplo (de novo!) foi a sua inesquecível vitória contra George Foreman à época um lutador talentoso, bem mais novo, mais alto e mais forte que Ali.

A estratégia desenhada, para aquela luta (que você pode conferir no documentário ‘Quando éramos reis’) foi perfeita para as circunstâncias e a sua brilhante execução foi fruto de uma disciplina exemplar.

Nas semanas que antecederam a luta no então Zaire, Ali conquistou a torcida apaixonada dos africanos e desestabilizou emocionalmente o adversário.

Como nas páginas da ‘Arte da Guerra’ de Sun Tzu, ao pisar no ringue naquela madrugada, a batalha já estava psicologicamente vencida por Ali, que reconquistou seu título mundial.

E em seu negócio, você tem conquistado seu público alvo? Você tem sabido conversar com sua clientela e possíveis clientes? Se não, está mais do que na hora de começar a alinhar sua comunicação com o público.

“Aquele que não têm coragem de assumir riscos não alcançará nada na vida”.

Não existe vitória sem risco. Todos (ou quase) fomos criados em um ambiente em que se preza pela segurança, algo não muito presente no dia a dia empreendedor.

Mas a verdade é que a prosperidade de seu negócio normalmente está além de sua zona de conforto.

Cada ser humano neste planeta tem uma fraqueza, cada negócio tem lá suas limitações.

A questão é: até quando você vai se deixar levar pela sua zona de conforto, culpando a falta de recursos, o governo, o mercado, etc?

No mundo do boxe você tem duas opções: ou você desenvolve seus pontos fortes até o ponto de estraçalhar o seu adversário ou você se concentra nos pontos fracos do seu oponente.

Ambas as opções tem um calcanhar de Aquiles.

O truque é saber protegê-lo do seu adversário e fazer o possível para encontrar o do seu oponente.

Em outras palavras dentro das lições de liderança que podemos aprender com o boxe, isso significa a realização de pesquisa de mercado em uma empresa rival, melhorar suas habilidades de apresentação comercial ou organizar internamente a sua empresa.

Conhecer a expertise que sua organização possui e as que não têm. Torne-se uma força reconhecida através da melhoria que você faz não apenas no seu negócio, mas também em sua vida.

Pra finalizar…

Muhammad Ali foi muito mais que um boxeador, foi o maior da história, além de ter sido um gigante na luta pelos direitos civis e um credor da admiração universal.

Seu exemplo e suas lições continuam a ensinar e a inspirar a muitos, dentro e fora do mundo do esporte.

E se tal qual Ali, você deseja construir um negócio sólido, bem visto em seu nicho de mercado, não descuide da gestão financeira de seu negócio. Teste hoje mesmo o NxFácil e descubra como podemos ajudar a alavancar a gestão de sua empresa!

Marketing Nxfácil