Quem não quer construir um negócio sólido e rentável, ganhar muito dinheiro com seu empreendimento, que atire a primeira pedra, não é mesmo?

Porém, o caminho para se chegar nesses objetivos nem sempre é tão simples e cartesiano assim, sendo muito comum que a empresa passe por turbulências financeiras no meio desse caminho.

E, justamente nesta hora, em que é preciso ganhar mais dinheiro, as chances de perdê-lo no longo ou médio prazo aumentam.

Por isso, separamos as armadilhas mais comuns que você precisa evitar principalmente na hora que a situação aperta. Vamos lá!

Baixar preços a esmo, sem nenhum tipo de critério.

Baixar os preços de seus produtos ou serviços nem sempre é uma boa ideia, nem sempre é tão simples e demanda uma boa dose de cuidado.

No afã de tentar vencer a concorrência com um bom preço, muitas empresas erram em não se preparar para suprir a demanda que será criada, prejudicando muitas vezes os prazos, estoque e a qualidade dos serviços.

E além do mais, é preciso atentar para fato de que talvez a estratégia não funcione como se esperava e aí como subir os preços de novo?

Isso pode ser um péssimo sinalizador para o seu mercado consumidor e ao notarem essa montanha russa de preços, a probabilidade dos consumidores perderem a confiança na sua empresa será grande.

Antes de baixar os preços, faça sempre faça um estudo prévio para saber o quanto deve cobrar, analise seu estoque (no caso de produtos), analise também sua concorrência e prepare-se para atender bem os consumidores que forem atraídos pela promoção.

Descuidar do controle financeiro de sua empresa.

A música do Zeca Pagodinho “Deixa a vida me levar” é muito legal, mas só para ser ouvida e não para ser vivida.

Ficar à espera de um milagre, deixar-se levar pelo que der e vier, sem acompanhar os principais indicadores financeiros é um erro grotesco, embora comum, e que pode custar caro.

Uma empresa que não usa ferramentas como o fluxo de caixa ou o controle das contas a pagar e receber, por exemplo, é como um explorador sem bússola.

Não saber os números faz com que o negócio perca competitividade e aumenta significativamente as chances de se gastar mais do que se ganha.

Aprenda o quanto antes, a controlar seu fluxo de caixa de maneira eficiente e, se possível, invista em um software de gestão financeira para planejar melhor suas ações antes de executá-las.

Buscar retorno financeiro imediato.

Verdade seja dita, o retorno sobre o investimento demora um pouco para acontecer.

Se você não tiver paciência para esperar pode se sentir forçado a adotar uma estratégia de negócios equivocada, como aumentar ou diminuir os preços sem critérios ou misturar “alhos com bugalhos” ao diversificar com produtos ou serviços muito díspares dos habituais para conseguir novos clientes.

É claro que isso pode variar de acordo com o seu modelo de negócios, perceba que ao aumentar os preços sem considerar a concorrência, por exemplo, pode te fazer perder mercado e, consequentemente, dinheiro.

Da mesma forma, investir para lançar novos produtos ou serviços pode te fazer perder o foco, diminuir a qualidade e perder clientes.

Nesse caso, como já bem dissemos, a melhor maneira de saber quando o seu negócio trará o retorno esperado é observar os indicadores financeiros da empresa e para isso é imprescindível fazer o controle financeiro regularmente.

Cortar ou reduzir o orçamento de marketing.

Reduzir o orçamento em marketing pode parecer uma boa medida em um primeiro momento, mas no longo prazo pode ser um grande erro, já que se estará alijando os consumidores potenciais dos benefícios de seus produtos/serviços e consequentemente seu negócio.

Por isso, mesmo em épocas de “vacas magras”, deve-se continuar a executar planos de expansão pois provavelmente a maioria dos concorrentes terão a mesma reação impulsiva no afã de diminuir seus custos.

Isso não quer dizer que mesmo com o seu caixa sangrando você deva continuar investindo em TV, rádio ou outros meios de comunicação caros, não, você pode adentrar de cabeça no marketing digital por exemplo, que geralmente é mais barato que o tradicional.

Ou ainda encontrar formas alternativas de divulgar sua empresa sem precisar despender de altas somas para pouco ou nenhum resultado.

E aí a máxima do velho guerreiro Chacrinha faz toda diferença, afinal “quem não se comunica se trumbica!”

Eliminar ou diminuir incentivos ou benefícios de colaboradores.

Podem ser desde coisas simples como uma premiação aos funcionários destaque do mês, o café dos aniversariantes, etc…

Ou até mesmo benefícios decorrentes de convenção coletiva ou acordo coletivo como normalmente são os planos de saúde e os tickets refeição, que podem ter suas qualidades reduzidas ou até mesmo a eliminação de tais incentivos ou benefícios.

Promover essas medidas é um atentado contra a sua a própria empresa, ou melhor, é o famoso “tiro no próprio pé”.

Manter esses benefícios e incentivos é um investimento no moral de sua equipe, lembre-se que colaboradores satisfeitos trabalham mais motivados, atendem aos consumidores melhor o que mantêm clientela satisfeita, no fim se trata também dos clientes, porque eles é que são o objetivo do seu negócio.

Cortar investimentos em capacitação e treinamento dos colaboradores.

Frequentemente alvo dos cortes de custos, os treinamentos, capacitações são fundamentais para um atendimento ao cliente sólido e cativante e pode ser diretamente responsável por evitar a perda de clientes por insatisfação com o serviço oferecido.

É extremamente importante investir na qualificação de todas as pessoas envolvidas no processo de atendimento ao cliente.

Por meio do treinamento de funcionários, uma das primeiras mudanças que se pode identificar é o aumento da produtividade.

Isso porque, no momento do treinamento muitas dúvidas são tiradas e muitos procedimentos são aperfeiçoados. Ou seja, após o treinamento, a equipe produzirá mais, melhor e mais rápido!

Treine sua equipe para ter um olhar mais vendedor e sugerir novas soluções para clientes novos ou existentes e surpreenda-se com os resultados!

Demitir funcionários para reduzir os custos

Fuja da ideia de que demitir funcionários é uma boa estratégia para cortar despesas. Mesmo quando a situação aperta, essa medida tem que ser planejada com muito cuidado para não acabar virando um problema maior.

Ao dispensar um funcionário, você deve levar em consideração que a sua capacidade produtiva irá diminuir, a qualidade do seu atendimento pode piorar, sem contar com o fato de que você terá que arcar com uma série de custos de rescisão, que podem complicar ainda mais o seu caixa.

E somado a tudo isso, você ainda pode prejudicar a motivação de seus outros colaboradores, uma vez que demissões sempre trazem um clima ruim para toda a equipe.

Se a situação financeira da empresa não está lá muito boa, seja honesto(a) não só consigo mesmo(a) mas também com seus funcionários.

Envolva-os, crie condições para que eles te ajudem a sair da crise, eles tem tanto interesse na prosperidade de seu negócio quanto você e  juntos vocês podem ter ótimas ideias para aumentar as receitas e reduzir os custos. Experimente!

Bruna Klaumann