Você pode conhecê-lo como Papai Noel, Bom velhinho, Santa Claus (para os mais internacionalizados), mas qualquer que seja o apelido, o alegre homem de vermelho é, indiscutivelmente, um dos ícones culturais mais reconhecidos (e amados) de todos os tempos.

Mas você sabia que há um lado menos conhecido do Papai Noel que talvez boa parte das pessoas não estejam familiarizadas?

Ele também é um empresário super bem-sucedido que começou, dirigiu e manteve uma operação global enorme e em um local remoto por centenas de anos!

O sucesso de longo prazo do Bom velhinho é tão grande que há alguns anos, a revista Forbes nomeou-o como a pessoa fictícia mais rica do mundo, estimando seu patrimônio líquido em um escalonamento de dólares infinitos. (Toma isso, Trump.)

Mas o que os empreendedores podem aprender com esse afável empreendedor da indústria vital de fim de ano? Aqui estão apenas alguns segredos por trás do triunfo empreendedor do Papai Noel:

Ele sabe delegar.

O oposto do microgestão é a delegação e um bom líder não dilui sua eficácia, tentando estar em toda parte ao mesmo tempo.

Então, ele deve confiar nos membros de sua equipe, dar-lhes autonomia para assumir responsabilidades e tomar decisões (dentro de alguns parâmetros estabelecidos).

Como no mundo existem bilhões de clientes que necessitam dos serviços do Bom velhinho quase simultaneamente, Papai Noel é um líder que confia absolutamente em sua equipe para realizar grandes responsabilidades.

Então, ele tem a Mamãe Noel no planejamento e produção de todos os produtos assados ​​(ou seja, cookies) de um lado, na produção de brinquedos, como líder da oficina o Elfo Bernardo, que lidera todos os elfos e garante a qualidade dos brinquedos.

Na verdade, Papai Noel é bem conhecido por dar a todos os seus elfos gestores, líderes, um nível significativo de autonomia e responsabilidade, encorajando-os a tomar decisões-chave, para ajudar a otimizar o transporte, processo de coleta de pedidos, redução de custos e muito mais.

Com certeza em sua empresa, seus funcionários também valorizam a confiança que lhe é depositada, ter autonomia e independência no desenvolvimento de seus trabalhos.

Afinal, ninguém quer se sentir como uma roda dentada, sendo apenas mais uma parte da engrenagem.

Por isso é extremamente importante capacitar as pessoas, dar-lhes liberdade e responsabilidade tanto quanto possível, no melhor “Santa Claus Style”, para criar uma cultura de trabalho empolgante e engajada!

Sua empresa ganha, sua clientela também ao ser atendida por pessoas que amam o que fazem e a empresa onde estão.

Pensa global e capricha na logística.

Para muitos empreendedores ambiciosos – incluindo o Papai Noel – restringir-se a um mercado local não é o suficiente, para esses empreendedores, o mundo é sua ostra.

O Bom velhinho em particular, é um pioneiro a este respeito, ele tornou suas operações globais – muito antes do conceito de globalização e “economia global” surgirem.

Operando em sua sede no gélido Pólo Norte, ele exporta seus produtos de qualidade para o mundo todo, o que nos leva a concluir que logisticamente, o sistema de entrega do Papai Noel é de longe o melhor do mundo.

Afinal, entregar bilhões de mercadorias em uma noite, é uma proeza que supera até mesmo gigantes como a Amazon (que faz uma média de 2,5 milhões de entregas por dia só nos EUA).

E não pense que ele se esquece dos países emergentes, de modo algum, Papai Noel também atende aos mercados de países em desenvolvimento.

Já não é difícil se deparar com o Bom velhinho tocando seu saxofone na China por exemplo, fazendo o que sabe fazer de melhor: alegrar a vida das pessoas um pouco mais.

Não poupa esforços e canais para atender bem ao seu cliente.

Segundo pesquisas, uma boa parcela dos consumidores deixam de voltar a consumir os produtos de uma empresa por mais que os produtos ou serviços sejam mais baratos. O motivo? O atendimento!

Depois de séculos de trabalho com bilhões de clientes, ninguém entende isso melhor do que o Papai Noel.

Ele sabe que é muito importante para seus clientes ter essa experiência individual, e que eles vão contar a todos os seus amigos.

Afinal, você pode pedir seus presentes enviando uma carta para o Pólo Norte, pedindo para o papai e a mamãe, nas suas orações, ou seja, ele e sua equipe oferecem atendimento multicanal e fazem de tudo para deixar o cliente satisfeito.

Ouvimos dizer que inclusive ele já disponibilizou mais uma via de contato, agora por email também.

E além do mais clientes ansiosos podem, assim, ficar tranquilos quanto a chegada de seus presentes, podendo acompanhar a rota de suas encomendas através de várias câmeras do Bom velhinho no espaço, ou até mesmo em suas redes sociais como Twitter e Facebook.

Por isso, fica a dica para os empreendedores de plantão: está na hora de começar a pensar na experiência do cliente e oferecer atendimento multicanal, valerá a pena!

Construiu uma marca poderosa.

Sem dúvida, Papai Noel tornou-se uma das marcas mais poderosas e duradouras do mundo, assim como, Apple, Starbucks e tantas outras.

E qual a chave para esse sucesso? É a consistência. Não importa o tamanho da loja ou local da Starbucks que você entrar no mundo, o que você irá consumir será claramente Starbucks, em termos de gosto, visual, atendimento, etc.

Os clientes mais leais podem ter o conforto em ter consistentemente as suas expectativas satisfeitas.

E o mesmo vale para o Bom velhinho, que é consistentemente alegre, bonachão, imponente em seu uniforme vermelho, com óculos e barba, em qualquer lugar do mundo.

E, claro, tudo isso vai de mãos dadas com sua marca registrada, o famoso “Ho ho ho”.

  Como muitas grandes marcas, a marca Papai Noel também tem lá sua profundidade. Através dos anos (e várias representações na cultura popular), Noel se tornou a personificação de grandes qualidades como generosidade, carinho, bondade, justiça e trabalho duro.

Estas qualidades convidam os clientes dele a se conectarem com ele emocionalmente, o que é muito poderoso.

 Quando se trata de Natal, nenhuma outra figura (comercial) ou marca é capaz de bater o Papai Noel (comercialmente falando, sabemos para quem o Papai Noel perde realmente, né? A razão de ser do Natal!).

Os vários genéricos, imitações que tentam usurpar o lugar do bom velhinho geralmente nunca são bem sucedidos. Por quê? Porque Noel marca as regras do Natal.

Sabe que os detalhes fazem total diferença.

Papai Noel é conhecido por fazer sua imensa lista e verificá-la muitas vezes.

E olha que estamos falando de uma lista com bilhões de itens que precisa ser atualizada e revista, a cada ano: um desafio até mesmo para o melhor software CRM (é que até então ele não sabia da existência do NxFácil).

Felizmente, o Papai Noel é um cara bem orientado a detalhes.

E nisso ele está em boa companhia, outro famoso líder orientado a detalhes foi o lendário Steve Jobs, que era obcecado com o layout, o design, seja de uma nova sede para a PIXAR, seja um detalhe para o Iphone.

E essa atenção fanática aos detalhes continua a ser uma parte importante da cultura da Apple onde as discussões sobre a posição de um pixel ou a estética de partes internas de um laptop, tornaram-se bem conhecidas.

Por isso, esteja atento(a) a todos os aspectos de seu negócio, não deixe escapar nada, os detalhes podem fazer a diferença, sim.

Ele sabe segmentar e ouvir sua clientela.

O homem do traje vermelho tem um enorme mercado, estima-se que sua base de clientes ronde a casa dos bilhões de pessoas.

No entanto, Papai Noel segmenta de forma simples e efetiva sua potencial clientela. Como? Dividindo-os em bons e maus.

Os primeiros são os que recebem os presentes de seus sonhos e são premiados pelo bom comportamento, já os segundos… Seu negócio deve dirigir-se a um mercado específico e amplo para prosperar.

Lembre-se de segmentar a seus clientes e priorizar aqueles mais leais, bem como, manter-se atento(a) às necessidades e desejos de seu mercado.

Você, saberia dizer quais são os desejos e necessidades de seu público alvo? Faça como Noel e não menospreze a voz do seu público: ouça-o sempre e esteja disponível, com um canal aberto para a comunicação.

Se quiser ser um(a) empreendedor(a) bem sucedido(a) não tem erro, mire no exemplo do Bom velhinho e bote pra fazer! 😉

Bruna Klaumann