Talvez “Breaking Bad” seja um dos seriados mais aclamados da história e não é por menos, já que em sua trama que conta a história de um simplório e submisso professor de química norte-americano que descobre ter câncer e começa a empreender, a fim de deixar algum dinheiro para a sua família, toca de algum jeito a todos.

É óbvio que a área de atuação escolhida pelo protagonista não deve servir de exemplo para ninguém – afinal, Walter White é um produtor e traficante de metanfetamina.

Mesmo assim, a trajetória dele deixa ensinamentos que podem ser aplicados na vida real.

Alerta de Spoiler: infelizmente, doa a quem doer teremos de contar alguns detalhes que talvez possam arruinar a experiência de quem ainda não assistiu a série, mas se mesmo assim você quiser saber o que a série tem a ensinar sobre empreendedorismo, vem com a gente! 😉

Afinal, fazer textos e mais textos sobre as lições e conselhos de Steve Jobs, Bill Gates, Elon Musk e outros tantos grandes empreendedores é fácil, pois, eles nutrem as fantasias de românticos candidatos a empreendedores, cujos sonhos – em sua grande maioria – terminam em pesadelo.

E pode até parecer contraditório mas, muitas vezes, os melhores exemplos de empreendedorismo surgem das fontes mais inesperadas, inclusive da ficção, como já vimos em alguns textos anteriores.

Breaking Bad é um exemplo disso (apesar de não ser uma boa ideia seguir o ramo de negócio escolhido pelo personagem).

Como dito anteriormente a trama gira em torno de Walter White que era um professor de química do secundário que descobre ter câncer, ignorado por seus alunos, que tem um filho com dificuldades motoras e de fala e uma esposa grávida.

Ah, e já mencionamos que pra piorar a situação do nosso anti-herói ele ainda tem um concunhado “mala” que é agente do DEA (órgão de polícia federal do Departamento de Justiça dos Estados Unidos encarregado da repressão e controle de narcóticos) que adora humilhar o pobre protagonista na frente de sua família.

Não bastasse tudo isso, Walter tinha de complementar seus parcos ganhos como caixa e lavador em uma lavação de carros e como não poderia deixar de ser, sofria com o autoritarismo e soberba do dono do estabelecimento.

As circunstâncias da vida e o acaso fazem com que o nosso heroi (ou anti-heroi) descubra que pode usar suas habilidades químicas para produzir narcóticos, e assim ele faz uma parceria com seu ex-aluno Jesse Pinkman, que já tem conhecimentos na área, para se arriscar nesse novo e perigoso projeto.

De novo: é claro que a área de atuação escolhida pelos protagonistas da série não deve servir de exemplo para nossos leitores, mas mesmo assim, não podemos negar que a trajetória deles e a maneira com que faziam negócios deixa ensinamentos que podem facilmente ser aplicados na gestão empresarial de uma organização.

Apesar do contexto dos fatos, Jesse Pinkman e Walter White eram bons empresários, que tinham sempre bem planejado para que direção queriam ir, quem cuidava da produção e quem cuidava da distribuição, e estavam sempre atentos para que seus clientes recebessem o melhor produto possível.

Por isso, vale muito a pena descobrir quais lições você pode aprender com essa surpreendente série!

Sim, é possível crescer começando do zero…

Aqui encontramos um paralelo interessante entre Walter White e os primeiros empreendedores do setor da informática que trabalhavam em suas garagens.

Tal como eles o protagonista de “Breaking Bad” não tinha uma sede “convencional”, digamos assim (e nem poderia, não é mesmo?), junto com seu sócio, Walter fazia seus produtos em um trailer velho no meio do deserto.

Mesmo assim, eles foram crescendo no “negócio”, ganharam muito dinheiro, juntaram barris de dólares (literalmente) e expandiram seu mercado.

Não se limite, trabalhe, faça muito bem o que tem de ser feito e acredite, muitas das grandes empresas de hoje já tiveram o mesmo tamanho da sua! 😉

Você sabe o que quer? Defina bem seus produtos e serviços e tenha um plano de negócios.

Mesmo que você seja um empreendedor “por necessidade”, que teve de se dar seu próprio emprego é necessário, além de saber onde se quer chegar, ter um produto ou serviço para trabalhar.

Assim como Walter White, o bom empreendedor deve focar em uma área específica onde possa empregar o máximo possível de sua atenção e energia para alavancar o negócio.

Dê preferência a algo sobre o qual tenha um conhecimento razoável e que goste de trabalhar e uma vez tendo isso definido, continue sempre estudando e aprendendo a cada dia em busca do aprimoramento contínuo.

Seu produto ou serviço deve ser o melhor (para quem já assistiu, lembra da azulzinha 99% pura do seriado?) e ter a melhor estratégia de divulgação para seu público-alvo.

Não adianta ter o melhor produto se o consumidor não sabe de sua existência ou não consegue acessá-lo!

Seja um(a) caçador(a) de oportunidades.

As crescentes dificuldades para a importação de cocaína e outras drogas digamos, mais “naturais”, para os EUA, abriram nichos de mercado para produtos substitutos: as drogas sintéticas.

E as metanfetaminas eram o carro chefe e Walter sabia muito bem como produzi-las e viu ali uma oportunidade única.

A ideia aqui é bem simples; quando Walter sentiu que precisava fazer uma mudança em sua carreira e percebeu uma oportunidade alinhando sua habilidade com o que o ‘mercado’ pedia, ele não pensou duas vezes e iniciou o seu empreendimento.

Não tenha medo de alterar a rota da sua vida, confie na sua intuição e dê inicio a uma nova jornada!

Torça pelo melhor, mas infelizmente, também esteja preparado(a) para o pior!

Nem sempre as coisas acontecem do jeito que queremos e as chances de você encontrar obstáculos e até mesmo falhar no meio do caminho, são grandes.

O importante é saber aprender com cada erro e estar sempre disposto a lidar com suas consequências e minimizá-las o quanto antes.

Faça sempre o seu melhor, mas mantenha-se fiel à máxima: “torcer pelo melhor, esperando pelo pior”, assim como fazia o personagem principal do seriado.

Se puder, tenha um plano B.

Walter White e Jesse a princípio ficaram em pânico quando perderam um de seus grandes distribuidores.

É claro que ambos encontraram uma solução, assim como todo bom empreendedor deve ser capaz de fazer quando se vê em uma situação semelhante.

Lembre-se de sempre ter um plano B, quiçá um C, um D, pois o mundo real não é perfeito e as coisas não irão funcionar sempre exatamente do jeito que você espera.

Cuide de sua rede de negócios.

Walter nunca teria alcançado os clientes certos se não fosse por Jesse Pinkman, seu ex-aluno e sócio, sua capacidade de construir conexões foi muito importante para o sucesso do empreendimento.

Ter uma rede de negócios é uma ótima maneira de construir uma base de clientes.

De olho na qualidade de seus produtos ou serviços: que sejam de primeira.

Com os conhecimentos adquiridos como químico, White podia criar a melhor metanfetamina disponível no mercado.

Ele era o único produtor capaz de conferir uma cor azul à metanfetamina o que fazia denotar o alto grau de pureza de seu produto e esse diferencial ajudou White a construir uma marca por seu produto.

A qualidade de seus produtos foram um dos fatores que levou o trabalho de Walter a ser conhecido de seu público.

Monte um time competente, capacite seus colaboradores.

O sucesso de um negócio depende de uma série de fatores e com certeza a montagem de um time é um deles.

Aliás, se você reparar, em todas as entrevistas de grandes empreendedores eles sempre destacam a contribuição de pessoas de suas equipes, que com seus talentos, complementam o q

Walter White soube muito bem treinar sua equipe. Pinkman, apesar de todos os problemas, aprendeu a conferir alto grau de pureza à metanfetamina.

Construa sua marca e não esqueça que propaganda é alma do negócio.

Walter White, até pode ser um sujeito sem graça, que era apenas um professor antiquado, marido e pai meia-boca, já o nome Heisenberg (pseudônimo usado por ele ao longo do seriado) causava calafrios a qualquer um que ousasse citá-lo.

Além disso, a combinação de chapéu e óculos escuros utilizada por White na hora de falar com seus “parceiros comerciais” – leia-se traficantes e chefes de cartel – fez com que ele se transformasse em Heisenberg se transformasse no rei do tráfico de metanfetamina.

A cor azul de seu produto e o mito em torno de Heisenberg tornaram o produto de White famoso no Novo México e, posteriormente, até no exterior.

Uma boa imagem é imprescindível para o sucesso de qualquer negócio e se sua imagem está diretamente ligada a ele, trate de começar a trabalhá-la imediatamente.

Fique de olho, respeite e aprenda com a concorrência.

Essa frase de outro grande clássico da ficção, “O poderoso chefão” ilustra bem a relação que devemos ter em relação à concorrência: “Mantenha os amigos próximos, e os inimigos mais próximos ainda.

Ao longo da série vemos que Walter não só acompanha seus possíveis concorrentes, como acaba muitas vezes fazendo parceria com alguns (Gus Fring, por exemplo).

Seus concorrentes não precisam ser vistos ao pé da letra como inimigos, mas você deve sim manter os olhos atentos aos seus movimentos.

Reserve um tempo para acompanhar as ações da concorrência e aprender com suas estratégias e seus erros. Além do mais, seu concorrente hoje pode tornar-se um bom parceiro amanhã, ou seu nêmesis, portanto, fique esperto!

Se vai buscar um(a) sócio(a), seja cauteloso(a).

White viu em Pinkman seu sócio ideal, afinal como ele mesmo disse a seu antigo aluno: “Você conhece o negócio e eu conheço química”.

Walter e Jesse foram bem sucedidos porque eles trabalhavam bem unidos e cada um soube aprender com o outro.

Seja meticuloso(a) quando e se for escolher um sócio.

Na série vemos nossos protagonistas em uma parceria para um livrar o outro do vício em drogas, os vemos apanharem de criminosos, manter segredos obscuros e até mesmo matar pelo companheiro.

Tudo isso em prol do bem do negócio, obviamente não precisa chegar a tanto, mas tenha certeza de estar ao lado de alguém em quem possa confiar.

Palavra dada, palavra cumprida.

O negócio de Walter White tinha uma cadeia como qualquer outro; precisava de produtos, assistentes, distribuidores e vendedores.

Por mais que tenha reagido de forma violenta com concorrentes, White nunca deixou de pagar pela prestação dos serviços.

Um empreendedor que cumpre o que promete só tem a ganhar: tanto internamente com seus subordinados, como externamente ante fornecedores e clientes. E isso, o antigo professor de química soube fazer muito bem.

Muita criatividade nessa hora.

Tirar as ideias do papel nem sempre é fácil e o maior vilão desse intento costuma ser sempre o mesmo: a falta de dinheiro.

Mas é possível abrir um negócio com nenhum (ou quase nenhum) dinheiro? A resposta é simples: sim e não.

A prática mostra que não é impossível, mas é difícil, não sejamos hipócritas.

No caso de nossos amigos da série, conhecendo os riscos e as dificuldades do seu “ramo, um dos primeiros desafios era manter a “fábrica” improvisada em um local seguro.

Diferente de alguns empreendedores famosos que já conhecemos, os protagonistas descartaram a ideia de usar a garagem de Jesse e optaram por um velho trailer que podia circular pelo deserto.

E assim como você, eles não tiveram nenhum tipo de investimento anjo (até por motivos óbvios) e tal como eles você tem que compensar a falta de recursos de outras maneiras.

Se você quer realmente empreender precisa se livrar da síndrome de perfeição, lembre-se da frase “antes feito, que perfeito”, por exemplo, se não dá para ter um restaurante agora, que tal começar a cozinhar In Company na casa dos clientes?

Você tem que compensar a falta de recursos de outras maneiras.

Não coloque os ovos em apenas uma cesta.

Ter foco é muito importante, mas de modo algum isso implica em fechar-se à outras possibilidades, além do mais, empreender muitas vezes passa longe de obedecer a regras.

Seja como fachada, seja como uma alternativa, Walter White diversificou seus investimentos.

Além de sua próspera empreitada no ramo das drogas ele comprou um lava-rápido e uma empresa de dedetização de imóveis, caso algo desse errado, White sempre teria uma fonte de renda secundária.

Assim como deve-se fazer com investimentos no banco, colocar todos os seus ovos de ouro em uma única cesta pode maximizar seus ganhos, mas também pode significar seu fim no caso de uma eventual falha.

Esperamos que tenham curtido as lições do anti-herói que você respeita e que elas contribuam para o sucesso do seu negócio, pois, no que depender de nós do NxFácil, sua empresa tem tudo para ser grande! 😉

Bruna Klaumann